Você ou alguém da sua família tem dificuldade em ver com clareza de perto? Ou seja, com esforço, consegue ver em foco, e, com nitidez, apenas o que está mais distante? Sente uma sensação de cansaço nos olhos e sofre com dor de cabeça constante?

Você sabia que esses podem ser sintomas de hipermetropia?

A hipermetropia é um erro de refração que atinge cerca de 65 milhões de brasileiros. Aproximadamente 1 em cada 3 pessoas pode ter o problema. Quem tem hipermetropia tem uma visão fora de foco para tudo o que está mais próximo e com mais nitidez para o que está mais distante.

Quais são as causas da hipermetropia?

Na anatomia do olho existe uma parte chamada retina que é responsável pela formação da imagem.

A hipermetropia é um erro de refração que faz com que a imagem seja focada atrás da retina. Isso causa dificuldade para enxergar o que está mais próximo dos olhos. Para focar a imagem, o texto que está em um livro, por exemplo, o hipermétrope precisa afastá-lo.

Dentre as causas, podemos citar o formato dos olhos mais achatado do que o normal, que pode ocorrer em razão de características genéticas.

 

Bebês e crianças muito pequenas podem apresentar sintomas da hipermetropia, mas nem sempre essa condição é permanente. Isso ocorre porque o globo ocular de uma criança pode aumentar de tamanho à medida que ela cresce, o que tende a corrigir o problema.

Como identificar a hipermetropia?

Uma pessoa com hipermetropia precisa forçar a vista a fim de enxergar nitidamente um objeto próximo. Isso causa fadiga ocular, além dos sintomas descritos a seguir:

● Visão embaçada ao ler um livro ou ao focar em objetos que estão próximos;

● Necessidade de apertar os olhos para melhorar o foco;

● Sensação de dor ou ardência ao redor dos olhos;

● Dor de cabeça frequente ou após executar tarefas que exijam atenção;

● Dificuldade em focalizar imagens próximas;

● Falta de concentração;

● Olhos lacrimejantes ou que piscam em excesso;

● Necessidade de esfregar os olhos com frequência.

Prejuízos causados pela hipermetropia

A hipermetropia pode estar associada a outras dificuldades, tais como:

● Estrabismo: Algumas crianças com hipermetropia podem desenvolver o quadro denominado estrabismo (ou visão cruzada). O uso de óculos concebidos para corrigir a hipermetropia também é capaz de corrigir o estrabismo.

● Redução da qualidade de vida: caso não sejam corrigidos, os sintomas da hipermetropia podem afetar a qualidade de vida. Isso muitas vezes ocorre por causa da constante dor de cabeça e da perda da capacidade de concentração, causadas pelo estresse ocular.

● Impedimento de segurança: para a própria segurança, é importante que você não dirija ou use equipamentos mecânicos se tiver um problema de visão que ainda não tenha sido corrigido.

Como tratar a hipermetropia?

A hipermetropia pode ser corrigida com o uso de óculos, lentes de contato ou por meio de cirurgia.

● Óculos: o uso de lentes corretivas torna a visão mais focada e elimina a dor de cabeça causada pelo estresse ocular, uma vez que ajuda a focar as imagens na distância correta

● Lentes de contato: as lentes também funcionam corrigindo a refração distorcida, o que permite um foco mais preciso. Para algumas pessoas, essa é a opção de escolha, já que aumenta o campo visual e pode acabar sendo mais confortável, apesar de exigir alguns cuidados a mais se comparados aos dos óculos.

● Cirurgia refrativa: a cirurgia pode corrigir a distorção da visão causada pela hipermetropia, podendo diminuir e até mesmo eliminar a dependência do uso dos óculos e das lentes de contato, proporcionando maior comodidade, economia e qualidade de vida. Saiba mais sobre a cirurgia refrativa neste post.

Cuidar da sua visão é muito importante. Mesmo com hipermetropia, é possível levar uma vida normal, se indicado o tratamento adequado. Por isso, se aparecerem os sintomas que comprometam a qualidade de visão, não deixe de procurar um especialista.

Você ou alguém da sua família pode estar sofrendo de hipermetropia? Agende uma consulta agora mesmo. Entre em contato com o Hospital de Olhos Dr. Ricardo Guimarães.

Está com alguma dúvida? Envie sua pergunta para que possamos te ajudar.

Leia também

  • Cuidados
    Síndrome do Olho Seco: saiba como prevenir e tratar
    Olhos secos, vermelhos, ardendo e coçando nunca devem ser considerados como uma situação normal.
    saiba mais
  • Tratamentos
    Calázio ou terçol: entenda a diferença e como tratar
    Apesar dos sintomas parecidos, calázio e terçol são problemas oculares diferentes e exigem cuidado.
    saiba mais
  • Cuidados
    Conjuntivite: tipos, sintomas e tratamentos
    Conheça os sintomas mais comuns da conjuntivite.
    saiba mais

Quer receber mais conteúdo? Assine!

Marque sua consulta!