Suas digitais fazem de você uma pessoa única. Nenhum outro ser humano tem desenhos iguais aos que você encontra nas pontas de seus dedos. O que você talvez não saiba é que existem outras “digitais” no seu corpo, que são só suas e de mais ninguém. Duas delas estão em seus olhos: a íris e a retina.

A íris é a parte colorida dos olhos (castanhos, azuis, verdes…). A íris de cada pessoa é exclusiva: ela ganha forma e cor no período de gestação, um processo biológico aleatório e com variáveis genéticas. A íris direita é diferente da íris esquerda, como são diferentes as digitais de cada um de nossos dedos.

Cientistas calcularam que a probabilidade de uma íris ser idêntica a outra é de 1 em 1072 (10 seguido de 72 zeros), o que praticamente garante que não haverá nenhuma íris idêntica a outra no mundo. Um teste controlado, feito com 2 milhões de pessoas, obteve 100% de acerto. E como a íris permanece exatamente a mesma do nascimento até a morte do indivíduo, ela é uma “assinatura” biológica permanente.

No caso da retina, o que se analisa são os vasos sanguíneos no fundo do olho, que também são únicos por pessoa. Porém, o aspecto anatômico da retina, diferente da íris, sofre alterações de pigmentação com o tempo. E doenças vasculares podem variar a cor do fundo do olho e a posição dos vasos retinianos.

Assim, a íris desponta como um dos mais perfeitos elementos para o reconhecimento biométrico de identificação em serviços especiais, de maior segurança, como o acesso a computadores, contas bancárias, banco de dados, controles de aeroportos e fronteiras… Em breve o reconhecimento por meio da íris deixará de ser algo de cinema e poderá estar em cada loja e em cada esquina.

Redimensionar fonte
Alto Contraste

Marque sua consulta